Erica Pereira, Associate Director na Randstad Portugal e Maurício Marques, DRH na Natixis, abordam a mudança no contexto do mercado de trabalho e dos serviços de recrutamento.


Embora  o mundo pareça ter abrandado, o recrutamento não parou. Pelo contrário, da reação à pandemia resultou um aceleramento dos processos e também a mudança. Com a criação de novas soluções digitais e a utilização de ferramentas desenvolvidas para serem utilizadas remotamente, foi possível dar continuidade aos negócios. Exemplo destas ferramentas e da sua eficácia são, como indicado por Erica Pereira, a utilização do sistema, VIDA da Randstad, que permitiu o recrutamento 100% digital e apoio aos clientes desde o primeiro momento de isolamento.


A mudança a que a sociedade se viu obrigada a viver,  passou também por refletir em como o digital é o futuro e em como é indispensável manter a proximidade pois embora o mercado esteja em retração, os candidatos também. Assim sendo, para uma boa gestão de recursos humanos o acompanhamento deverá ser cada vez mais humanizado, procurando unir o candidato ao clientes desvanecendo as barreiras e receios.


Os oradores alertam para o facto de as rotinas e o medo do desconhecido poderem ser um perigo e que por isso mesmo deverá existir confiança e uma visão clara do futuro, considerando as necessidades dos colaboradores atuais e futuros. 
Novas metodologias de trabalho devem ser incentivadas para promover uma nova forma de trabalhar e pontes de comunicação devem ser estabelecidas, pois no fundo a mudança passa pela cultura e não deverá ser baseada em mitos mas sim na humanização e capacidade de adaptação do ser humano.