As agências de recrutamento são, regularmente, identificadas como um meio de selecção de novos colaboradores para empresas externas a menor custo e para fins temporários. Sendo o trabalho temporário, de facto, uma das áreas de trabalho destas agências, esta afirmação é – e permitam-me a expressão - uma ‘meia verdade’. 

A maioria das empresas precisa, periodicamente, de receber nas suas equipas colaboradores para diferentes projetos, com objetivos temporais distintos e, muitas vezes, com a sincera vontade de integrar e ser parte da ‘família’ por um longo período. 

No entanto, estas mesmas empresas nem sempre têm um departamento de Recursos Humanos que possa criar e dirigir um processo de recrutamento, especialmente com a celeridade necessária. É por este motivo que as agências de recrutamento têm uma papel fundamental no ‘jogo’ da procura e da oferta dentro do mercado de trabalho.

Em primeiro lugar, porque estão estruturadas com pessoas experientes, que fazem do Recrutamento e Selecção o seu dia-a-dia. Que sabem identificar qualidades, capacidades de adaptação e ambições. Que sabem criar uma persona, aquela que será adequada ao perfil pretendido e às funções inerentes. São especialistas que têm na mente o talento e nas mãos as ferramentas necessárias para encontrar o candidato ideal. 

Em segundo lugar, enquanto prestadoras de serviços, as agências de recrutamento têm o dever e o prazer de conhecer os diferentes setores do nosso mercado, pela oportunidade que as empresas lhes dão e pela diversidade das equipas. Neste sentido, há uma maior capacidade de apoio às empresas que nem sempre sabem como e o que procurar. Vejamos: uma empresa que decide criar um novo departamento ou serviço, considerando-o fundamental para o desenvolvimento da sua identidade, precisa, por vezes, de um parceiro que saiba identificar necessidades dentro da equipa que está a ser criada. Uma agência de recrutamento, por todos os projetos em que se viu envolvida, terá sempre a experiência e a fonte de apoio necessárias para este novo desafio empresarial.

Por último, é impossível não falar do papel destas empresas na fase de incerteza que hoje se vive. A Covid-19 trouxe consigo não apenas inseguranças no âmbito da saúde, mas também na economia, provocou empresas que se consideravam estáveis e assustou os projetos que surgiram recentemente. As agências de recrutamento tiveram uma atitude crucial para gerir emoções de candidatos e clientes, redefinir estratégias em conjunto com empresas e ter a celeridade necessária para recrutar colaboradores para funções que se mostraram essenciais à continuidade da sociedade em fase de pandemia. 

As empresas de Recursos Humanos têm departamentos distintos – áreas comerciais, recrutamento e seleção, gestão contratual – que souberam adaptar-se com a urgência pedida pelos clientes e manter o seu dia-a-dia com a normalidade possível, para que as empresas se pudessem permitir redescobrir-se e compreender qual o novo caminho a seguir.

O futuro, ainda incerto, está já a ser trabalhado, de modo a que a resposta a clientes seja dada com experiência, qualidade e exatidão. Para que o novo normal seja descoberto com colaboradores à altura deste desafio. E para que as empresas possam focar-se no seu mercado e no seu amanhã.  

Assim, podemos compreender e concordar que empresas de recrutamento são uma mais-valia e um apoio às empresas, independentemente do contexto, das adversidades e do mercado em que estão inseridas. São a experiência que as empresas precisam para formar uma equipa responsável, coesa e profissional. Em suma, atrevo-me a dizer que uma aposta no recrutamento de qualidade será sempre uma aposta no crescimento e desenvolvimento da empresa.

escrito por
ana rita duarte

Rita Duarte

recruitment consultant, randstad portugal