A mudança de carreira é sempre um enorme desafio. Não apenas pela necessidade de sairmos da nossa zona de conforto, mas também, e sobretudo, pelos riscos que acarreta. É uma fase da nossa vida profissional (e pessoal) que deve ser devidamente analisada e ponderada. Devemos estar conscientes dos prós e contras dessa decisão e fazer uma introspecção, de modo a compreendermos quais os motivos que precedem esta mudança e o que pretendemos para o futuro. É importante aprendermos a reconhecer em nós ambições, mais-valias e talentos. Não podemos, nunca, aceitar a zona de conforto – ou, muitas vezes, de desconforto – por receio do futuro. A vida profissional é um elemento fundamental da nossa felicidade e, por ela, devemos aceitar o desafio. 

Após essa reflexão, podemos e devemos estar motivados para esta mudança, que irá sempre enriquecer-nos. As experiências passadas e futuras permitem-nos uma bagagem cada vez mais completa e madura e isso tornará a mudança de carreira um momento desafiante, mas mais tranquilo. E é crucial que percebamos que assumir um novo rumo profissional não significa deixar para trás qualquer outra experiência. Tudo é uma aprendizagem que pode ser adaptada ao contexto.

Permitam-me falar um pouco sobre o meu percurso profissional. Licenciada em Ciências da Comunicação, trabalhei em Restauração, Jornalismo, Marketing e, agora, em Recursos Humanos. A olho nu, poderíamos dizer que são experiências soltas e que cada desafio foi uma etapa sem precedentes ou bagagem. No entanto, permitam-me também discordar. Em todas as minhas experiências, adquiri conhecimentos que apoiaram o meu crescimento pessoal e profissional e impulsionaram os sucessos dos novos desafios. 

Vejamos: na Restauração, aprendi a comunicar com o cliente, a trabalhar em equipa e a aceitar que, para aprender, teria de ouvir e observar os mais experientes. Esta aprendizagem ajudou-me como jornalista que tem de observar, aprender com os demais, comunicar (muito!) e, assim, consegui mais facilmente transpor para papel tudo o que me era proposto. Após esta fase, dediquei-me ao Marketing, uma área em que a comunicação com todos os intervenientes é fundamental. Apendi, aqui, que a comunicação não-verbal é igualmente importante e deve ser bem pensada para que o resultado final seja o esperado. 

Há cerca de dois anos, abracei o meu maior desafio profissional. Uma mudança que, a meu ver, seria radical. Entrei no mundo dos Recursos Humanos, uma área sobre a qual pouco sabia. Até então, nunca havia pensado neste sector senão como candidata. Posso e devo dizer com honestidade que esta oportunidade surgiu meramente porque o desemprego e a necessidade de regressar ao mercado de trabalho assim o ditou. 

No início, reinava o deslumbramento, mas também o pânico. A noção sobre como começar e o que fazer era escassa. No entanto, e ao longo desta aprendizagem que ainda dura, comecei a compreender que tinha competências trazidas de experiências anteriores que me poderiam ajudar nesta nova etapa. A capacidade de comunicar mostrou-se fundamental para o desempenho das minhas funções, no contacto com a equipa, o cliente e o candidato. As entrevistas que outrora fiz em contexto jornalístico puderam ser adaptadas ao mundo do Recrutamento e Selecção. A capacidade de observação ajudam-me diariamente, quer na aprendizagem com os experientes, quer no momento de entrevistar candidatos. Porque aqui a linguagem não é apenas verbal e temos de aprender a observar tudo o que nos rodeia. 

Consigo, também agora, ter uma maior empatia com candidatos que se vêem na mesma situação, na necessidade ou vontade de mudar de carreira, e dar o apoio e a orientação que esperam da minha parte.

Seria irreal e desonesto dizer que a mudança de carreira é fácil. Não é. É necessário estarmos preparados para uma nova realidade, assumirmos uma nova aprendizagem, aprendermos a lidar com receios e, claro, alguns insucessos. Mas tudo faz parte dessa nova aventura, que, a seu tempo, nos vai mostrar quão enriquecedor é dar este passo gigante. 

E se soubermos utilizar a bagagem que nos foi dada ao longo da nossa experiência, o desafio será muito mais positivo. 

Aceitem, sem medos, os desafios que a vida vos traz!

escrito por
ana rita duarte

Rita Duarte

recruitment consultant, outsourcing, randstad portugal