Escreveu Arquimedes no primeiro dos dois volumes sobre o equilíbrio dos planos: dêem-me uma alavanca grande o suficiente e um ponto de apoio, que moverei o mundo.

Toda  e qualquer organização necessita de áreas de suporte às operações/vendas, sejam elas quais forem, e dependendo do tipo e do tamanho da organização, áreas como os  recursos humanos, tecnologias de informação, finanças, procurement, gestão de contratos, gestão de frota, facilities, marketing e comunicação, etc., devem libertar as áreas de negócio para o desempenho das atividades core da organização de modo a entregarem o melhor produto ou serviço aos seus clientes.

Organizações mais maduras já descobriram a importância das áreas de suporte junto das operações. Esta percepção, ainda incipiente em algumas empresas, estará, obviamente, alinhada com a dimensão da empresa em causa, ainda assim devem ser existentes sob pena das áreas de negócio não conseguirem ser competitivas operacionalmente no mercado em que operam.

As áreas de suporte devem estar alinhadas com a estratégia da organização, devendo, em alguns casos, ser parte integrante do comitê estratégico, sabendo por isso qual é o seu papel no serviço que prestam aos seus clientes, estando presentes, se necessário, nas tomadas de decisão estratégicas das organizações.

Se num contexto organizacional as vendas são o mundo, as áreas de suporte devem ser a alavanca que o faz mover.

 

escrito por
luis lobato

Luís Lobato

facility & supply chain manager