9 dicas para encontrar a sua carreira ideal

 

Muitas pessoas, apesar de estarem infelizes com a sua carreira, não têm a coragem para dar um rumo diferente à vida profissional. Na Forbes Brasil, Sara Bliss destacou os conselhos da career change coach Maggie Mistal para inverter esta realidade.

 

Maggie Mistal desenvolveu uma “fórmula” com nove perguntas para ajudar os profissionais a darem um rumo à sua carreira ideal, considerando factores como o salário ideal, as competências que querem usar e/ou desenvolver, o que os motiva, a missão e o propósito exclusivo ou até a localização da empresa.

A especialista explica que estas nove perguntas são apenas o primeiro passo. Depois do profissional perceber o que é importante para si e quais os seus pontos fortes, é preciso começar a “traçar diferentes caminhos” e decidir onde quer (e vale a pena) apostar. As nove perguntas são:

1. No que é que tem interesse?

Comece por pensar no que gosta de fazer ou naquilo que o fascina. Por exemplo, como gasta o seu tempo livre? Faça este exercício sem se preocupar com o facto de ter ou não as competências necessárias ou o salário.

 

2. Quais são os seus talentos especiais?

Para perceber quais as competências que o distinguem, pergunte-se para que é que as pessoas o procuram e agradecem a sua ajuda? Mesmo que não sejam “competências especiais”, essas qualidades podem resultar numa carreira. Por exemplo: Gosta de organizar festas? Cozinha maravilhosamente? Faz questão de fazer o IRS da família toda? Procuram-no para conselhos? Qualquer uma dessas coisas pode tornar-se uma profissão.

 

3. Quais as competências que mais gosta de usar?

Normalmente, as pessoas colocam no CV aquilo que já fizeram. Mas e se o exercício for fazer um CV com aquilo que gostaria de fazer? Com as competências que gostaria de ter? O que, para si, torna um dia com significado; que o faz sentir-se realizado? Isto ajudará a pensar num emprego como mais do que o salário que representa ao fim do mês.

 

4. Que sectores considera interessantes?

 

A coach aconselha a que os profissionais se foquem nos sectores pelos quais se interessam. Que áreas específicas lhe despertam interesse desde cedo? Concentre-se não numa profissão ou função específica, mas em algo mais abrangente. Depois converse com pessoas que trabalham nessa(s) área(s) e perceba qual o “ponto de entrada”, área de crescimento e se o sector está a evoluir.

 

5. Que valores gostaria de transmitir através do seu trabalho?

O teste decisivo para avaliar a satisfação no trabalho é responder à pergunta se o faria, mesmo que não fosse pago para tal. E o que as pessoas valorizam difere muito. O dinheiro, ainda que seja motivador, não é inspirador.

 

6. Que tipo de personalidade tem?

Encontrar um emprego que corresponda ao seu tipo de personalidade é um factor crucial para encontrar a ocupação certa. Quer seja confiante e extrovertido ou introvertido e mais sério, de certeza que há funções que se encaixam nesse perfil. Se estiver a fazer algo que não corresponde à sua personalidade, nunca se vai sentir feliz.

 

7. Que tipo de ambiente de trabalho procura?

Prefere trabalhar sozinho ou em equipa? E prefere trabalhar no centro da cidade ou fora da confusão? É mais feliz numa empresa grande ou pequena? Com que tipo de pessoas trabalha melhor? E com que tipo de cultura mais se identifica?

 

8. Qual é o seu propósito?

Segundo Maggie Mistral, saber qual é o seu propósito é uma forma motivadora e poderosa para reflectir sobre o seu trabalho, ou que trabalho gostaria de ter. É a resposta fundamental para perceber o que gostaria de fazer.

 

9. Qual é o seu salário ideal?

Pense num número que ache que o ia fazer sentir-se valorizado e satisfeito com o valor alcançado pelo seu trabalho. Esse é o seu salário ideal. Mas lembre-se que uma mudança de carreira pode envolver um recuo financeiro. Mapeie as suas despesas principais e veja onde pode reduzir. Isto irá trazer-lhe maior tranquilidade para procurar algo que realmente o realiza.