estamos no spotify!

ouve aqui

Lê o conteúdo do episódio sobre tendências para 2022:

  • Sofia Cansado

Olá! Sejam bem-vindos, novamente, ao podcast #EVERYDAYHERO da Randstad Portugal. Nós começamos assim, a temporada de 2022, com novos episódios dedicados aos temas mais importantes do mundo do trabalho. E como é o primeiro episódio tínhamos de falar sobre as tendências que vão marcar este ano profissional.
E para falar sobre isto, tenho comigo, a Erica Pereira. A Erica é a Associate Director da área Professionals, na Randstad. Erica, muito bem-vinda ao podcast, mais uma vez.

  • Erica Pereira

Olá, Sofia! Muito obrigada por este convite.

  • Sofia Cansado

Erica sabes que isto já é uma tradição gostava que te apresentasses, falasses um bocadinho sobre ti, sem esquecer o fun fact que continua este ano.

  • Erica Pereira

Então o que é que eu posso dizer sobre mim... Eu sou Erika, sou licenciada em Recursos Humanos, em Gestão de Recursos Humanos. Fiz um mestrado também em gestão de recursos humanos e análise organizacional. Escolhi um tema muito interessante para a minha tese que tinha a ver com as emoções no local de trabalho. Sempre é um tema que eu gosto muito e que me tem acompanhado aqui ao longo de toda a minha carreira. Tenho dois filhos maravilhosos, um de 6 anos e outro de 2. Lidero a área da Professionals há cerca de dois anos, aproximadamente. Estou na Randstad há oito e tem vindo a ser aqui um percurso muito interessante e muito estimulante, ao mesmo tempo. Um fun fact... O que é que eu posso dizer sobre mim, que se calhar muito pouca gente sabe, eu sempre fui muito "maria rapaz", quando era miúda. Sempre gostei de fazer todos os desportos e mais alguns, menos ballet que era aquele que a minha mãe queria, que eu fizesse. Eu acho que todas as mães têm o sonho que as meninas façam ballet desde pequeninas e eu nunca gostei desse tipo de desportos. Portanto, o mais perto talvez que eu tenha feito, mais parecido com algum desporto feminino terá sido a patinagem, portanto, eu andei alguns anos na patinagem artística.

  • Erica Pereira

Para quem não sabe e que faz sempre aquela distinção entre "eu ando de patins em linha" e o outro diz "eu ando de patins em quatro rodas", portanto, eles têm todos quatro rodas e nós chamamos-lhe paralelos, portanto, fiz durante alguns anos patinagem artística, participei em saraus e tenho muitas saudades de patinar porque, efetivamente, os meus patins são para patinar em sítios fechados, em planos que não é rua e não há lá muitos espaços para o fazer. E, pronto, acho que pode ser esse um fun fact sobre mim, que muito pouca gente sabe que eu fiz.

  • Sofia Cansado

Muito bem! Eu acho que a patinagem artística requer muito rigor. O que é que achas que te trouxe depois para a vida? Até para a vida profissional? O que é que achas que a patinagem te trouxe?

  • Erica Pereira

Olha, disciplina, talvez. A resiliência porque eu lembro-me que caía muito e chegava a casa com muitas mazelas e continuava e nunca desisti por isso. E tem muita técnica, há muita técnica nos saltos, inclusive. Porque andar andamos, é relativamente fácil andar. Há um equilíbrio, há um treino e andamos, para trás, para a frente, o que for. Mas realmente no que tinha a ver com a vertente mais técnica, a resiliência era aquela que efetivamente tinha que fazer parte do treino do dia-a-dia. Acho que essa é a principal característica que eu trago desde então.

  • Sofia Cansado

Este primeiro episódio nós gostávamos muito de abordar aqui tudo o que seja previsões, que tu tenhas, tendências de mercado. Achas que podemos começar aqui pelos perfis que tu acreditas que serão mais procurados este ano?

  • Erica Pereira

Olha este ano foi um ano de crescimento, não é?! Nós vínhamos de um ano de 2020 que é... De um grande decréscimo, portanto, houve aqui em termos de recrutamento, não existiu, não é?! Houve muitos despedimentos. Os setores quer de transportes, alojamento, restauração foram os setores que mais sofreram, no ano de 2020, e ainda continuam a ter um forte impacto no negócio. Aquilo que eu posso dizer em termos de crescimento para o próximo ano, eu acho que é acompanhar muito aquilo que tem vindo a acontecer durante este ano. Houve um grande crescimento, vai continuar a existir um grande crescimento, pelo menos até ao fim deste ano, e talvez depois possa haver aqui alguma desaceleração. Em termos de áreas, a área de Tecnologias de Informação vai continuar a ser uma área que continua em força e não só. Ou seja, nós temos muitas empresas ainda a abrir em Portugal. Vamos continuar a ser um país muito procurado para implementações de novos negócios, aqui no nosso país. Isto não só ao nível dos setores de tecnologia de informação, também noutras áreas mas ao mesmo tempo esta é uma área que as próprias empresas que já cá estão têm vindo a reforçar com novos talentos, em Portugal.
Nós temos perfis muito bons, temos talento óptimo em Portugal e vai ser uma área que vai continuar a estar aqui em grande força. A área da construção, também este ano, tem vindo a ser uma área que tem requerido aqui muitos perfis do mercado. Também há aqui uma grande procura desta tipologia de perfis e aqui estamos a falar, não só para o que são obras novas mas também uma componente de renovação, e obras públicas ou privadas. Portanto, tudo o que são perfis de Direção de Obras, os preparadores, orçamentistas, etc. São perfis que estão neste momento a ser muito procurados no mercado. E depois numa lógica mais global, no que concerne depois aos serviços partilhados, às empresas de serviços partilhados, ou seja, essas vão continuar a vir para Portugal e, se calhar, perfis mais financeiros, mais de recursos humanos vão ser, aqui também, os mais procurados para 2022.

  • Sofia Cansado

Portanto, finanças, construção, IT são aqui as três áreas com maior foco, pelo menos, nestes primeiros meses do ano, acreditas?

  • Erica Pereira

Sim. Eu não posso, não quero deixar de falar na área de marketing também e na área de vendas porque também foram perfis, foram áreas, aliás, muito afetadas no ano 2020, que existiu obviamente aqui uma recuperação. Por um lado, com uma grande aposta nos perfis de marketing e do e-commerce. Portanto, a área do  digital teve aqui um grande boost em 21, em 2021 e vai continuar a ter em 2022. Mas houve também uma grande retoma dos perfis técnico comerciais que tinham sofrido aqui... Não digo uma queda mas tenha havido um desinvestimento nesta tipologia de perfil.

  • Sofia Cansado

Acabaram também por sofrer este ano.

  • Erica Pereira

Sim, e voltam novamente aqui ao mercado. Os técnicos comerciais também muito a surgir aqui também, um grande número de recrutamento nesta tipologia.

  • Sofia Cansado

Muito bem. Acho que também acabaste por falar aqui um bocadinho dos setores que achas que vão recuperar ou até crescer. Portanto, podemos aqui acreditar até que o turismo acabe por dar a volta este ano. Mais algum que queiras destacar?

 

  • Erica Pereira

Olha, eu acho que é sempre aqui um bocadinho "tricky" falar de banca. A banca teve aqui um período muito complicado, aqui há uns anos, teve uma recuperação nestes últimos dois anos também, não contando aqui com o 2020, por favor. Mas continuamos a ter ou continuam-se a ver, continua-se a ver recrutamento na área da banca. O que é que é este recrutamento? É um recrutamento muito mais estratégico, muito mais incisivo, também. Portanto, a banca está a aproveitar também, ao mesmo tempo, para requalificar os seus perfis, a modificá-los, a transformá-los e a apostar muito no Reskilling. Mas que também continuam a ter aqui, a ir ao mercado recrutar talento que possa vir de outros setores. Portanto, também foi algo que, quer o setor da banca, quer no setor dos seguros, nestes últimos anos acabaram por abrir aqui um bocadinho mais os horizontes e por recrutar perfis que venham de outros setores, trazendo aqui um maior aporte daquilo que é o mercado na sua globalidade e não ter só perfis que venham de banca para banca ou de seguros para seguradoras.

  • Sofia Cansado

Eu acho que também já estás aqui a prever e até é o mote para a minha próxima pergunta. O reskilling também vai ser uma grande tendência para este ano, em várias áreas, não é? Porque o reskilling acaba por ser aqui uma grande vantagem para áreas que podem estar também com maiores desafios de procura.

  • Erica Pereira

Sim, completamente. Até porque há áreas que efetivamente as empresas vão fazer algum desinvestimento e não vão querer de todo dispensar os talentos que fazem parte da sua organização e fazem parte da sua cultura. Portanto, é uma aposta e é um investimento das empresas apostarem no reskilling das suas pessoas. E as pessoas, obviamente, têm também que ter este espírito aberto, em querer receber novas competências. Eu acho que é um desafio porque acredito que não seja fácil com uma pessoa que esteja há 20 anos a desempenhar uma função, que de repente alguém vem e venha dizer "olha, as funções que tu sempre fizeste vão deixar de existir, não fazem mais sentido para o nosso modelo de negócio, já não vale nada. Quer dizer vale muito, vale todo o conhecimento, se calhar alguns deles conhecimentos de uma vida, que as pessoas apostaram e desenvolveram a sua carreira e não pode ser de um momento para o outro deitado aqui um bocadinho... deitado fora, não é? Então eu acho que vai ser uma mudança de comportamento dos dois lados. Do lado da empresa para conseguir promover esta necessidade de fazer o reskilling das suas pessoas, dar novas formações, etc.
Mas, ao mesmo tempo, também do lado dos colaboradores estarem muito receptivos para de facto receberem e aportarem, continuarem a aportar valor mas numa função diferente, com skills diferentes.

  • Sofia Cansado

Sim. E eu acho que também era interessante, já que também estou a perguntar sobre funções mais procuradas e áreas com maior destaque. Qual é que tu achas que são aqui as três skills que vão ser a tendência 2022? Portanto, as três skills que todos os profissionais devem ter em atenção para este ano.

  • Erica Pereira

Eu, particularmente, dou grande ênfase à componente das soft skills. Ou seja, eu considero que as soft skills são muito mais importantes do que as hard skills. As hard skills são completamente trabalhadas e aprendidas, posso levar mais ou menos tempo e tenho mais ou menos capacidade de aprendizagem mas eu vou aprender. As soft skills eu ganho e consigo desenvolvê-las e trabalhá-las quando, efetivamente, sou colocada à prova. Eu aí, eu vou ver se sou ou não sou capaz. Portanto, eu acho que aqui a componente da atitude, do relacionamento interpessoal e da resiliência eu, se calhar, diria que poderiam ser as três que eu considero mais importantes. Tendo estas três características, facilmente, eu consigo adaptar-me... Não diria qualquer emprego porque há sempre trabalhos mais técnicos que outros, lógico. Mas, pelo menos eu tenho, vou ter uma atitude positiva para encará-los. Vou ter um espírito resiliente que preciso, para poder adquirir determinados conhecimentos e não desistir na primeira dificuldade ou no primeiro obstáculo, e o relacionamento porque nós temos que continuar a lidar com pessoas, só a relacionarmo-nos, só comunicando-nos e compreendermo-nos uns aos outros é que de facto vamos conseguir chegar também a bom porto. Portanto, se calhar, destacaria estas 3 três características como as mais importantes.

  • Sofia Cansado

As três "must have", muito bem. E se, nós pensarmos aqui, já numa ótica de quem esteja à procura de emprego e nesta procura de emprego sabemos que há vários desafios que vêm já de 2021. Portanto, há coisas que não vão mudar agora em janeiro, a partir do dia 1 de janeiro. Mas quais é que são aqui as tuas dicas mais importantes para que este ano corra bem em termos de procura de emprego e para que haja um melhor aproveitamento do tempo que se usa para procurar emprego.

  • Erica Pereira

Eu acho que acima de tudo e que, nós consultores em contexto entrevista muitas vezes nos deparamos, é com candidatos que não conseguem explicar aquilo que é o seu percurso e aquilo são as suas motivações e ambições. Portanto, eu diria que passo número 1 é: conhecermo-nos a nós próprios muito bem. Perceber onde é que eu sou ou não sou capaz, ou onde é que eu sou ou não sou tão bom assim, conseguir montar um storytelling à volta disto. E definir muito bem quais é que são os meus objetivos. Primeiro passo - Definir um currículo, olhando para a parte mais técnica, eu ter o meu currículo muito bem feito, eu consegui fazer o storytelling do meu currículo e conseguir passar, ou conseguir ter muito bem discriminado aqueles que são os meus objetivos. E aquilo que às vezes nós sentimos, em contexto de entrevista, os candidatos querem mudar, querem encontrar mas depois não têm muito bem definido o que é que eles querem fazer. O que é que eu quero fazer? O que é que me faz brilhar os olhos? Às vezes, é a pergunta que nós fazemos é: "Então mas o que é que faz brilhar os olhos? O que é que o faz acordar todos os dias com vontade? O que é que poderia fazer?" E eu acho que o primeiro passo é muito esse, é definir muito bem quais é que são os seus objetivos para um novo emprego ou para um emprego novo.

  • Sofia Cansado

E transparecer no currículo.

 

  • Erica Pereira

Sim, transparecer no currículo e transparecer também na sua entrevista. Portanto, também conseguir ao mesmo tempo balizar ou, pelo menos, definir aqueles "targets", ou seja, nós termos um bocadinho aquela ideia de "onde é que eu gostava de trabalhar". Eu sou bom nisto, nisto e nisto. Onde é que eu gostava de trabalhar, onde eu possa efetivamente dar aqui algum aporte à função que eu vou desempenhar.

  • Sofia Cansado

 Érica, tenho uma pergunta polémica para ti sobre currículos. Europass, sim ou não?

  • Erica Pereira

Olha, já há vários modelos da Europass, não é?! Antigamente, eu lembro-me que havia um modelo do Europass, que já não se vê utilizar. Agora há "n" modelos do Europass. O que é que eu costumo... Há muita gente que me faz essa pergunta. Eu acho que o currículo deve ser o espelho do candidato. O meu currículo não pode ser igual ao teu e não porque há um modelo próprio para isso. Eu acho que cada um de nós deve conseguir exprimir no currículo aquilo que é a sua experiência, de uma forma sucinta e sexy ao mesmo tempo. E para isto não há modelos ideais. Ok, Sofia. Não sei se respondi ou não.

  • Sofia Cansado

Muito bem.
Não, foi muito bem respondido.

  • Erica Pereira

Não sou fã de nenhum modelo em específico. Sou fã sim de ter um currículo atrativo e que me leve a conhecer a pessoa. Portanto, acho que isto não tem a ver com a forma, tem a ver com o conteúdo.

  • Sofia Cansado

Exatamente, sim. Mostrar aquilo que queremos dizer para a oferta de que estamos à procura ou para a função que estamos à procura.
Muito bem. Portanto, storytelling, um currículo bem preparado, uma entrevista bem preparada. Mais alguma dica?

  • Erica Pereira

Eu acho que isto são os passos fundamentais. Saber muito bem o que é que quer. Ponto nº1 - eu tenho que saber muito bem o que é que eu quero fazer ou então, se eu não souber o que quero, pelo menos, o que é que eu não quero fazer.

  • Sofia Cansado

Também é importante.

  • Erica Pereira

E é normal. Nem toda a gente sabe, nem toda a gente se consegue preparar assim tão bem e está tudo bem na mesma. Não é?! Portanto, eu acho que se de alguma forma nos sentimos um pouco mais inseguros, relativamente ao contexto da entrevista, acho que devemos procurar ajuda. Falar com um amigo, que conhece um amigo que sabe como é que estas coisas às vezes funcionam. Portanto, muita partilha de informação e preparar-se acima de tudo. Infelizmente, há muitas pessoas que não se preparam, que são ótimas, que têm uma experiência ótima mas depois o storytelling é muito fraquinho e isso não joga nada a favor delas. Portanto, trabalhar muito bem essa componente.

  • Sofia Cansado

Muito bem. E eu não sei se tens aqui uma dica diferente para quem neste momento esteja a trabalhar numa empresa, na sua função mas mesmo assim esteja à procura de algo novo. Para quem está nessa situação, qual é que é aqui as tuas dicas para este ano.

  • Erica Pereira

Olha, eu acho que se alguém tem um desejo em mudar e mudar pode ser um passo ao lado, pode ser um passo para cima. Portanto, eu acho que aqui não temos sempre que mudar em termos de carreira, em termos hierárquicos. Portanto, eu posso ter uma mudança de carreira e isto não quer obrigatoriamente dizer que eu vou dar um passo acima. Mas, acima de tudo, eu acho que é muito importante nós termos a certeza do passo que queremos dar. E um conselho que eu posso dar é, se é um desejo para 2022 mudar, que isso seja muito claro, não é? E que a pessoa tenha toda a consciência disso porque, por vezes, nós queremos mudar porque simplesmente acordamos e pensamos "eu não estou feliz no sítio onde estou e eu quero começar a procurar emprego". Mas eu não sei bem o que é que eu vou procurar, onde é que vou procurar. Que tipo de empresas é que me poderiam fazer sentido e aqui eu digo, no cômputo geral, em termos daquilo que é sua responsabilidade social, sustentabilidade, objetivo, estratégia, etc. Eu tenho este pensamento e pronto. E depois vou a entrevistas, até me podem fazer propostas mas depois, lá no fundo, eu não tenho a certeza que quero mudar.
Portanto, o que eu aconselharia era se alguém tem vontade de mudar, que isso seja mesmo uma vontade e que passem à ação e não fiquem só pela vontade. Ou seja, que haja um amadurecimento de uma ideia, porque mudar de emprego não é mudar de roupa. E há efetivamente aqui um fator muito grande de responsabilização, quer para a empresa de onde vai sair, para a empresa de onde vai e depois trabalham com uma empresa, como a Randstad, existe aqui ainda mais uma terceira pessoa a fazer parte deste processo. É importante que toda a gente esteja na mesma página e que se há uma vontade, então ela que se mantenha até o fim.

  • Sofia Cansado

Exactamente. É engraçado agora falares nesta terceira pessoa, não é? Que acaba por ser a Randstad, esta terceira pessoa acaba também por poder dar aqui um aconselhamento se, por vezes, as pessoas não tiverem a certeza de que é aquela empresa que eu quero, é aquela função que eu quero. De que forma é que a Randstad pode também, Randstad falamos aqui desta terceira pessoa como consultor, portanto tu melhor que ninguém sabes dizer. Como é que se pode ter este aconselhamento se o passo não for o mais certo.

  • Erica Pereira

Olha, nós atuamos sempre, exatamente, dessa forma. Ou seja, nós somos consultores que aconselhamos os candidatos, quer para uma transição de carreira, quer também para o aconselhar naquilo que é o currículo, na entrevista, nós damos dicas, nós ajudamos os nossos candidatos a reintegrar, a integrarem num novo projeto e também a reintegrarem-se no mercado de trabalho. E durante uma entrevista, nós conseguimos saber se a pessoa está ou não totalmente motivada para uma mudança de projeto. Então, há aqui dois caminhos, não é?! Que é se a pessoa está efetivamente motivada para uma mudança, nós conseguimos fazer este aconselhamento e conseguimos trabalhar na entrevista para que numa entrevista futura as coisas continuem a correr muito bem, nomeadamente, com os nossos clientes. Mas também se em algum momento nós sentimos que a pessoa não está totalmente segura para uma mudança e está tudo bem. Portanto, não há qualquer mal nisso. Nós em contexto de entrevista, nós ao percebermos isso, nós acabamos aqui por tentar perceber também o que é que na realidade move esta pessoa, ou o que não está bem no sítio onde está, o que é que ela procuraria e damos dicas.
Às vezes, uma dica como "Olhe mas já se sentou com a sua chefe atual, já partilhou com ela aquilo que sente, é quase aqui um psicólogo de recrutamento. Actuamos aqui quase como os psicólogos do recrutamento. E o feedback que nós recebemos é muito positivo, que é a pessoa não muda de projeto mas depois dá-nos exatamente feedback "Olhe, fiz isso que me aconselhou. Sentei-me com a chefia, que não estava contente por isto, isto e isto, tinha os meus objetivos desalinhados, algo na comunicação não estava a correr bem e, efetivamente, agora estou muito mais feliz. Portanto, nós acabamos por dar muito este aporte também em contexto de entrevista, não só aos candidatos que estão em projeto mas também os candidatos que nós entrevistamos proativamente para futuros projetos que possamos vir a ter.

  • Sofia Cansado

Muito bem, Érica. Eu acho que as dicas fundamentais que deixaste aqui. Em jeito de resumo, portanto, storytelling, um bom currículo, uma boa entrevista, as skills também, terem em atenção as softskills para este próximo ano e depois também se estiverem a pensar mudar de carreira ou de empresa ter a certeza do passo que estão a tomar. Acho que acabei por resumir aqui um bocadinho a nossa conversa.

  • Erica Pereira

Sim, exatamente. É tudo isso e uma energia muito positiva. Eu acho que no fim do dia a energia é tudo. Por isso, pessoas positivas, bem dispostas, alegres fazem toda a diferença no ambiente de trabalho, embora este espaço de remote acaba aqui por camuflar algumas destas características mas são fundamentais para que se consigam também gerar bons negócios.

  • Sofia Cansado

Muito bem. Érica, muito obrigado por teres estado aqui comigo a conversar. Obrigada por teres aceite o convite.

  • Sofia Cansado

Obrigada também a quem nos ouve, por estarem desse lado e continuem-nos a acompanhar porque vamos manter os episódios quinzenais no Spotify e no YouTube. E também nos podem acompanhar nas redes sociais Facebook, Instagram e LinkedIn. Obrigada e até daqui a duas semanas.

  • Erica Pereira

Tchau, Sofia, obrigada.