«O mundo do trabalho mudará em consonância com as novas exigências formuladas por novos tipos de trabalhadores, aqueles que procuram muito mais do que a simples remuneração.» Quem o afirma é Nelson Lopes, CEO da Sodexo, multinacional francesa especializada em benefícios extrassalariais, em Portugal há cinco anos.

Entrevista a Nelson Lopes o CEO da Sodexo

A Sodexo é uma multinacional francesa com 50 anos e está em Portugal há cinco. O que acredita que motivou esta aposta no nosso país?

Existem em Portugal mais de 1,2 milhões de trabalhadores do sector privado que recebem o seu subsídio de refeição sob a forma de título, de acordo com um estudo independente da Universidade Nova de Lisboa realizado no final de 2018, a pedido da EBFS – Associação Portuguesa de Empresas de Títulos Extrassalariais, da qual a Sodexo Portugal é membro. Tendo em conta este cenário, acredito que faça todo o sentido que a Sodexo pretenda trazer para Portugal a sua vasta experiência mundial na gestão de programas de benefícios sociais, entre os quais se inclui o subsídio refeição. 

A vinda da Sodexo para Portugal veio imprimir um maior dinamismo a um mercado um pouco apático e que necessitava, urgentemente, de mais inovação e melhor serviço, para dar respostas adequadas às solicitações dos seus principais protagonistas: empresas, colaboradores e comerciantes. 

Que prioridades de atuação definiram, para atingir que objetivos?

A prioridade da Sodexo Portugal é oferecer um produto de qualidade de forma a obter a satisfação total por parte de empresas, colaboradores e comerciantes. Com este objetivo em mente, aumentámos o nosso portfolio de clientes em cerca de 25%, ao longo dos últimos quatro anos e meio de atividade. Atualmente, perto de 200 mil consumidores usam o nosso cartão refeição diariamente. 

Por outro lado, atingimos o break-even em 2019, afirmando a rentabilidade da operação em Portugal e criando condições sólidas para um negócio sustentável no longo prazo, com a inclusão a curto prazo de novos produtos no nosso portfolio.

Até à pandemia, quais eram os vossos principais desafios?

Os nossos desafios são, num cenário de curto prazo, consolidar o posicionamento enquanto entidade especialista e de referência em matéria de serviços associados ao subsídio refeição. Trabalhamos diariamente para continuar a aumentar o nosso portfolio de clientes, consumidores e comerciantes. Naturalmente, com a pandemia tivemos de fazer algumas adaptações como apostar, ainda mais, no domínio dos serviços e aplicações digitais, que possibilitem uma melhoria significativa da experiência dos utilizadores e lançar novos serviços em outros domínios.
A longo prazo, a nossa visão é conseguir oferecer a todos os clientes, parceiros e consumidores um leque de serviços que possibilitem experiências notáveis, quer na sua esfera profissional, quer no seu universo particular.

Disse que sector dos benefícios extrassalariais estava um pouco “apático” em 2015. Como é que o sector evoluiu entretanto?

O serviço prestado pelo Sodexo Portugal é percecionado, pela generalidade das empresas, comerciantes e utilizadores como de uma importância crescente, e a verdade é que também houve muita evolução neste setor, quer na oferta, quer na prestação do próprio serviço. Existe, atualmente, uma ampla consciência relativamente à clara eficiência fiscal gerada por um cartão refeição, por oposição ao pagamento do subsídio refeição em numerário, aliada à sua inquestionável eficácia na atração e retenção de colaboradores. Hoje, dificilmente alguém conceberá a existência de um pacote compensatório sem a inclusão do benefício de subsídio de refeição.
Em 2015, quando tomou forma a Sodexo Portugal, tornou-se evidente que muito estava por fazer, e que existia muito espaço para podermos adicionar valor à nossa proposta. E tem sido extremamente gratificante percorrer este caminho que aponta, apesar da crise pandémica em que vivemos, para um crescimento.

Comparando com o mercado francês, em que estado evolutivo está Portugal neste âmbito?

É sempre difícil fazer uma comparação direta entre países porque teríamos que atender a inúmeros fatores exógenos e endógenos, diretos e indiretos, para explicar todas as diferenças que existem nas formas de abordar e tratar a temática dos benefícios extrassalariais. 

Numa análise superficial, podemos constatar que o caso francês tem um maior avanço, sobretudo no devido enquadramento e regulamentação dos benefícios, que faz com que a sua aplicação e gestão seja mais clara e efetiva.
Em Portugal, os benefícios extrassalariais não têm um estatuto próprio, nem são objeto de uma lei específica, e isso permite uma enorme amplitude na interpretação e utilização dos mesmos, o que na maioria das vezes contribui para que empregadores e trabalhadores possuam perspetivas totalmente díspares acerca deste tema. 

De qualquer forma, não há necessidade de nos compararmos, devemos apenas aproveitar o que os outros fazem bem.  
 

Como a Sodexo tem crescido no nosso país, em termos de negócio e faturação?

Em cinco anos de operação, conseguimos conquistar a confiança de 11 mil clientes empresas, que correspondem a aproximadamente a 200 mil colaboradores e utilizadores de produtos Sodexo. Só no último ano foram registados em Portugal cerca de 13 milhões de operações de pagamento com cartão refeição, que é um número extraordinário, e que reflete precisamente a evolução deste setor.

E em termos de equipa, como tem sido o crescimento?

A Sodexo Portugal abriu portas em 2015 com quatro pessoas e chega ao momento atual com 22 colaboradores. Temos sido capazes de selecionar talento e competências e isso é, claramente, um dos motivos do nosso sucesso, enquanto grupo de trabalho. Não nos interessa a quantidade, mas sim garantir que possuímos as pessoas certas nos lugares certos. Uma fórmula que se torna, naturalmente, mais exigente e que obriga a maior disciplina e entrega, bem como uma enorme vontade de aprender e crescer.

Qual tem sido a vossa estratégia de Recursos Humanos (RH)? O que assumem como prioritário?

A estratégia de RH passa essencialmente pela aliança de cada colaborador, enquanto individuo, aos valores da organização. Tudo o resta falha quando qualquer um de nós não está inteiramente alinhado com o propósito da empresa. Depois, naturalmente que tentamos prestar muita atenção a toda a experiência de cada colaborador nas diversas etapas que atravessa ao longo do seu percurso. 
Em traços gerais, significa que tentamos estar sempre presentes, em todas as fases e situações, e exatamente com o mesmo espírito e com a mesma disponibilidade. Valorizamos de igual forma o momento de boas vindas e o instante da despedida. No final, queremos sobretudo que a passagem pela Sodexo Portugal valha realmente a pena e que, mesmo na saída, qualquer colaborador sinta que sai mais completo do que quando entrou.

Que importância têm as pessoas no ADN da empresa?

A resposta direta é simples: as pessoas são o ADN da empresa. E de facto, é mesmo assim no nosso caso. Quem está, ou quem já esteve na Sodexo Portugal, sabe que assim é. E isso não significa que somos perfeitos ou que saibamos sempre proporcionar tudo aquilo que as pessoas anseiam ou responder a tudo o que precisam. Não vivemos essa ilusão, e temos perfeita consciência que a gestão das pessoas está longe de alguma vez ser uma ciência exata. Quando lidamos com pessoas, trabalhamos no domínio das emoções, gerimos expetativas e ambições, e abordamos conceitos extremamente complexos e únicos para cada indivíduo, tal como a felicidade ou o a realização pessoal. Mas prestamos a maior importância a tudo que se relaciona com as pessoas, que tem impacto nas suas vidas, que as aumenta ou reduz.  

 O que acredita que vos torna uma boa empresa para trabalhar?

Uma vez mais, as pessoas que fazem parte do elenco deste projeto, e que fazem com que qualquer novo participante se sinta bem acolhido e totalmente integrado nas suas primeiras 24 horas. A natureza do nosso projeto constitui também um forte aliciante. Fazemos parte de um grande grupo internacional, mas localmente temos um verdadeiro espírito de startup. Existe espaço para criar, para trabalhar de forma ágil e observar os resultados das nossas ações, para fazer acontecer sem qualquer receio de falhar, o que é essencial para que alguém se sinta efetivamente parte de um todo. E também porque somos uma empresa feliz, com pessoas bem-humoradas, cheias de energia e vontade de aprender, que gostam de ajudar o colega do lado, que procuram sempre uma solução e evitam impasses.

Lançaram recentemente o programa Sodexo Supports Me. Em que consiste e que objetivos pretende alcançar?

O Sodexo Supports Me é uma linha telefónica dedicada a todo o universo de colaboradores da Sodexo que disponibiliza suporte em diversas matérias, quer de índole profissional, quer pessoal, através de uma rede de consultores qualificados. É mais um instrumento que o grupo Sodexo disponibiliza a pensar no bem-estar de todos os trabalhadores, procurando estar perto dos problemas e ajudar no que for necessário para a sua resolução.

Como reinventaram o negócio, perante a pandemia?

Como já referido, tivemos de proceder a algumas adaptações, como apostar ainda mais no domínio dos serviços e aplicações digitais, que possibilitem uma melhoria significativa da experiência dos nossos utilizadores. Criámos a campanha “Sempre Consigo”, que disponibiliza novas formas de aceitação de pagamentos com o nosso cartão refeição e foi criada devido ao aumento do de consumo em serviços de entrega e takeaway. 
Temos aberto novos espaços para refletir e começar a trabalhar em novos instrumentos que se adequam às novas realidades, sobretudo na área do digital, onde existe espaço para bastante criatividade em torno de novas formas de apresentar, comunicar, experimentar e pagar serviços na área alimentar, e designadamente no setor da restauração, o qual terá que se ajustar ao “novo normal” e estar dotado das ferramentas mais apropriadas para atrair e reter clientes.

E a vossa forma de trabalhar, mudaram?

A nossa forma de trabalhar alterou-se. Quando foi declarada a pandemia entrámos todos em teletrabalho. Posteriormente, realizámos um questionário para perceber quais os colaboradores que pretendiam continuar em teletrabalho ou voltar para o escritório. Temos, neste momento, pessoas em teletrabalho, mas temos o escritório disponível para que as equipas o utilizem sempre que necessário. O espírito de equipa, esse manteve-se. Fazemos inúmeras atividades lúdicas e de team building muito frequentemente, mesmo à distância.

Também sentiram mudança nas necessidades das empresas e naquilo que vos pedem?

As empresas demonstram uma preocupação e exigência crescentes na qualidade da prestação do serviço. Algo que nos satisfaz bastante, pois é precisamente nesse domínio que mais investimos. Os produtos são, na maioria das vezes, muito parecidos na sua apresentação e as propostas comerciais raramente traduzem aquilo que são efetivamente as diferenças que justificam o valor a pagar. 
Temos tido um número crescente de empresas que procuram a Sodexo Portugal pela aposta contínua na qualidade e pela garantia de saber que está alguém deste lado, nos momentos em que mais precisam. 
Por outro lado, existem outras áreas de necessidades que ainda não estão servidas, ou que ainda não têm as soluções que dão resposta ao que as empresas procuram, e que estamos a estudar neste momento.

Quais são agora os vossos principais desafios?

A Sodexo Portugal pretende continuar a introduzir melhorias no serviço que prestado no âmbito do cartão refeição, com o objetivo de proporcionarmos a melhor experiência a todos os nossos stakeholders, empresas, consumidores e comerciantes. É fundamental que nos continuem a reconhecer como a melhor solução existente no mercado, tal como tem sucedido sempre nos últimos três anos. 

O outro desafio é o desenvolvimento de novos serviços, com alguns lançamentos já previstos no curto prazo, tendo em vista alargar a nossa oferta de benefícios.

Que tendências perspetivam para o sector em que atuam, em particular, e para o mundo do trabalho, em geral?
Gostávamos que os benefícios extrassalariais começassem a ter lugar de destaque nas agendas dos diversos decisores e stakeholders. Não é uma matéria de segundo plano e futuramente pode ser mesmo o fator mais importante para a captação e retenção de talentos. 

A diversificação e a inovação em matéria de benefícios extrassalariais serão dos mais importantes tópicos no futuro próximo, substituindo, no nosso entender, os debates exclusivamente centrados nas políticas salariais e na evolução de componentes meramente retributivas. Os potenciais candidatos avaliam a proposta de cada empregador fazendo uso da mesma lógica que os clientes utilizam quando recebem propostas comerciais. Quanto vou ganhar ao fim do mês é cada vez menos relevante para um trabalhador, na mesma medida em que valor a pagar pelo serviço também já não é o elemento-chave para a decisão por parte de um cliente. 

O mundo do trabalho mudará em consonância com as novas exigências formuladas por novos tipos de trabalhadores, aqueles que procuram muito mais do que a simples remuneração por tudo aquilo que estão dispostos e capazes de dar ao outro lado.

créditos fotográficos: sara matos

entrevista a
Nelson Lopes

Nelson Lopes

ceo da sodexo