cibersegurança: os maiores perigos

Da cloud aos ataques internos, os ciberataques continuam a crescer dentro das empresas modernas. 80% dos chief information security officer (CISO) considera mesmo que existem falhas de segurança inevitáveis que os colocam num círculo vicioso de risco. 

É o que revela o estudo da Kaspersky Lab completo “What It Takes to Be a CISO: Success and Leadership in Corporate IT Security”, segundo o qual 50% dos CISOs europeus se encontram preocupados com o contínuo aumento do número de ciberataques. Para 57%, as estruturas mais complexas, que incluem armazenamento na cloud e mobilidade, representam um grande desafio de segurança. E crêem que os grupos de hackers com motivações financeiras (40%) e que os ataques maliciosos desde o interior da empresa (29%) constituem os maiores perigos para as suas empresas, e que estas são as ameaças mais difíceis de prevenir, não só porque por trás delas estão hackers “profissionais”, mas também porque por vezes contam com a ajuda de funcionários internos.
Conscientes de que os ciberataques podem chegar a ter repercussões dramáticas para as empresas, mais de um quarto (27%) dos participantes no estudo refere que os danos reputacionais de um ciberataque podem ser seguidos por danos financeiros (25%). Não obstante, apenas 26% dos responsáveis de segurança e IT são membros do conselho administrativo das suas empresas. Na Europa, entre aqueles que não o são, quatro em cada 10 (41%) acreditam que deveriam sê-lo.
Por outro lado, ainda que os orçamentos para a área da cibersegurança estejam a crescer, cerca de metade dos CISOs europeus (49%) espera que estes aumentem, enquanto a outra metade (49%) crê que se vão manter inalterados. Mas mais de um terço (36%) dos CISOs reconhece que podem não conseguir os aumentos orçamentais de segurança que necessitam, devido ao facto de não conseguirem assegurar que não haverá uma falha de segurança. 
A segunda razão pela qual os CISOs têm dificuldade em aumentar os seus orçamentos têm a ver com o facto da área de segurança, em muitas ocasiões, representar a maioria dos custos em IT. 

Leia o relatório completo aqui