para que serve o trabalho temporário?

A necessidade de pessoas numa empresa varia com o tempo e flutua com o próprio ritmo dos mercados. Esta flexibilidade exige rapidez, escalabilidade e reforça a importância de encontrar as pessoas certas para cada função. Não se trata de engenharia financeira ou muito menos de um desejo secreto das empresas que não querem contratar pessoas para os seus quadros. É antes um mecanismo de resposta à velocidade da economia e a necessidades pontuais de contratação. A lei é até bem clara tipificando quais as motivações que justificam a utilização deste vínculo contratual.

Para os trabalhadores esta é também uma opção flexível de trabalho, uma oportunidade de integrar o mercado, adquirir mais experiência e desenvolver competências. A lei garante que os trabalhadores temporários têm de ter a mesma remuneração que os trabalhadores dos quadros da empresa que exercem a mesma função e a moldura jurídica garante a proteção desta forma de contratação. As empresas de trabalho temporário também têm aqui um papel fundamental no acompanhamento dos trabalhadores e até na recolocação sempre que termina um contrato num dos clientes.

Vítor Peliteiro, diretor comercial desta área na Randstad explica a forma como a empresa aborda o mercado e como esta pode ser uma ferramenta não só para aumentar a competitividade das empresas mas também para ligar os talentos ao mercado.

< voltar à página anterior