que tecnologias estão a mudar a gestão de pessoas?

A transformação digital já não é tendência, é presente. E é uma inevitabilidade à qual os departamentos de Recursos Humanos não estão imunes. Nomeadamente em relação ao software de Recursos Humanos disponíveis, tem surgido todo um novo universo de potencialidades, promovido pelas novas tecnologias. Neste contexto, a Seresco identifica seis tendências tecnológicas para a Gestão de Pessoas.

 
1. Inteligência Artificial (IA): o movimento em direcção à IA é uma tendência generalizada e o futuro do software de Recursos Humanos não é uma excepção. A aprendizagem por máquinas tornou-se um imperativo para quem está à procura de um software personalizado. Por exemplo, já não será preciso haver uma pessoa para gerir milhões de currículos e cartas de apresentação, pois essa tarefa pode rapidamente ser cumprida por robots. Um benefício adicional é a avaliação analítica dos candidatos, livre de erros humanos.

Por outro lado, os departamentos de RH, passam a ter uma ferramenta para uma análise precisa dos colaboradores, ao longo de todo o seu ciclo de desenvolvimento na empresa.

 
2. Chatbots: Muitos fornecedores já estão a integrar chatbots nos seus sistemas de Gestão de Pessoas para fornecer respostas às consultas dos colaboradores, permitindo assim que os departamentos de RH percam tempo com perguntas repetitivas e demoradas. Assim, perspectiva-se que sistemas inteligentes como a Siri e a Alexa comecem a desempenhar um papel na gestão de talentos.

 

3. Gestão de desempenho e feedback em tempo real:  Ter uma plataforma digital de gestão de Recursos Humanos (RH) permite às empresas optimizar o seu desempenho, deixando, por exemplo, de ser necessário agendar reuniões para dar feedback e limitar a avaliação do desempenho a uma periodicidade mensal ou anual. Com um bom software de RH, os colaboradores podem receber feedback constante em tempo real. Além dos benefícios logísticos, permite um maior acompanhamento, promovendo mais facilmente o desenvolvimento profissional e o relacionamento pessoal com os colaboradores, e, consequentemente, o compromisso com a empresa.

 
4. Biometria: Os relógios biométricos usam marcadores biológicos para identificar colaboradores, minimizando o risco de fraude. Os métodos populares de monitorização biométrica de tempo incluem digitalização de impressões digitais e reconhecimento facial ou de íris. Com um sistema biométrico de tempo e atendimento, a identificação dessas características físicas únicas garante que as horas sejam atribuídas com precisão ao colaborador certo.

 
5. Saúde e tecnologia: A expectativa é que os dispositivos portáteis sejam usados ​​cada vez mais para controlar a saúde no local de trabalho, o que, em ambientes de alta pressão, pode ter um grande impacto. Este tipo de tecnologia consegue rastrear, entre outros, a frequência cardíaca, a temperatura corporal e a dilatação da pupila e, assim, fornecer informações sobre os elementos da saúde física e psicológica dos colaboradores. Com esses dados, a organização pode alterar os processos pouco saudáveis.

 
6. Middleware:  Trata-se de um “software que actua como uma ponte entre um sistema operacional ou banco de dados e aplicativos, especialmente em rede”. Ou seja, o middleware permite a integração. Normalmente, um departamento de RH pode usar até dez ou onze sistemas diferentes apenas para recrutamento, o que significa que não há capacidade para realizar armazenamento ou pesquisa de dados, uma vez que eles não “comunicam” entre si. Agora, graças a esses softwares, parece que vão poder começar a colaborar com outras tecnologias.
 
Resumindo, o futuro envolve maior eficiência, facilidade de uso e automação de tendências na Gestão de Recursos Humanos.