sabe que profissões estão em declínio?

Esta é a realidade norte-americana mas a tendência deverá ser seguida de forma generalizada. E se algumas funções “em risco” podem não trazer surpresa, como os colaboradores dos correios, outras podem surpreender. Dave Copeland, na Work + Money, identificou algumas explica porque devem ser evitadas.

John Pugliano, autor de “The “The Robots are Coming: A Human's Survival Guide to Profiting in the Age of Automation,” antecipa que muitos empregos de colarinho branco sejam ameaçados pela automatização. «Basicamente, qualquer emprego rotineiro que possa ser facilmente definido por uma equação matemática ou lógica estará em risco», afirma Pugliano. «Haverá oportunidades para aqueles que criem novos produtos/serviços ou que resolvam/corrijam problemas inesperados.» Portanto, os contabilistas podem não ter emprego no futuro, mas os cirurgiões plásticos e os médicos da urgência devem ter sorte. E os canalizadores, revela Pugliano, terão sempre trabalho.

Com base neste e noutros peritos contactados, a Work + Money fez uma lista das profissões a evitar (não porque irão desaparecer completamente, mas porque o mercado de trabalho irá provavelmente entrar em declínio), dando ao mesmo tempo alternativas onde as competências usadas nessas profissões podem ser aplicadas num futuro emprego mais seguro.

 

Agente de viagens

Graças aos sites de marcação de viagens, todos são actualmente o seu próprio agente de viagens pessoal. A Agência de Estatísticas Laborais (BLS, na sigla em inglês) calcula que o número de agentes de viagens caia 12% ao longo dos próximos 10 anos.

Mas os agentes de viagens podem não desaparecer completamente. Segundo a Skift, uma fornecedora de informações do sector do turismo global, «o valor acrescentado que os agentes oferecem à experiência da viagem pode ser difícil de desaparecer completamente, quer através da desintermediação ou da automatização».

Existe outra carreira alternativa em ascensão. O Occupational Outlook Handbook prevê um aumento na necessidade de pessoas que sejam peritas em destinos específicos ou tipos particulares de viajantes, incluindo empresariais, de luxo, que vão estudar fora ou turistas com mais de 55 anos de idade.

 

Contabilista

Culpem a inteligência artificial pelo declínio da profissão de contabilista, afirma Dmytro Arshynov, da DMA Financial Management LLC em Nova Iorque. Sites como o QuickBooks Online e o Receipt Bank podem descarregar automaticamente informações das contas bancárias e preparar uma declaração de entrega de IRS.

Com a tecnologia em melhoria constante, Arshynov acredita que o trabalho dos contabilistas será eliminado dentro de uma década e substituído por tecnologias automatizadas.

A BLS calcula apenas uma queda de 1% na categoria de contabilistas, guarda-livros e auditores de 2016 a 2026, mas acrescenta que se «espera que as mudanças tecnológicas e a automatização reduzam a procura desses profissionais».

 

Advogados

O mundo terá sempre advogados, mas muito do trabalho que fazem - ou costumavam fazer - está a ser rapidamente dominado pela tecnologia.

Pugliano observa que muito do trabalho realizado pelos investigadores de processos pode agora ser feito com algoritmos cada vez mais sofisticados. A sua recomendação para aspirantes a advogados é concentrarem-se nas áreas intensas de emoções humanas não rotineiras, como a selecção de júri ou o perfil de testemunhas.

A BLS tem um ponto de vista diferente sobre os advogados, projectando um aumento geral de 8% nos empregos na área até 2026.

 

Locutores

Espera-se que um em cada 10 dos 33 202 locutores de rádio e televisão nos EUA veja o seu emprego desaparecer até 2026. A consolidação no sector, bem como o aumento do uso de conteúdos propagados, está a impulsionar o declínio. Há também a explosão dos serviços de streaming de música. Cada vez mais ouvintes preferem isso do que terem de ouvir o DJ local.

A BLS calcula um declínio de 9% na categoria de jornalistas, correspondentes e analistas de notícias, com cerca de 4500 empregos no total a desaparecerem.

 

Gestores intermédios

O trabalho realizado pelos gestores intermédios está a ser cada vez mais desenvolvido por softwares empresariais como o Oracle e o Salesforce. Pugliano afirma que as pessoas que ocupam esses cargos devem concentrar-se nas funções que geram receita, como o relacionamento com os clientes, as vendas ou o desenvolvimento de novos produtos.

 

Caixa de casino

Existem muitas oportunidades no jogo, à medida que mais estados o legalizam, mas ser caixa não é uma delas. Os casinos estão cada vez mais a recorrer a máquinas automatizadas para reduzir os custos de mão-de-obra, o que significa que o homem ou a mulher na caixa do casino está a seguir o trajecto das slots machines antigas com alavanca.

Espera-se que o crescimento do sector estimule a procura de croupiers. Mas há uma desvantagem: embora o número de croupiers cresça 8,7% nos próximos 10 anos, estes ganham significativamente menos que os caixas (17 769 euros por ano contra 20 876 euros).

No geral, a BLS calcula um aumento de 2% até 2026 na categoria de colaboradores de serviços de jogo, percentagem mais lenta do que a média para todas as profissões.

 

Suporte às Tecnologias de Informação

Ou, como também são conhecidos, administradores de sistemas e de servidores. Com tanta computação a passar para a cloud, o colaborador de TI que controla os escritórios está a tornar-se cada vez menos relevante na força de trabalho actual, explica Nicholas C. Fiorentino, director executivo da CrediReady. A mudança já está a ocorrer nas empresas mais pequenas, que consideram mais barato e mais eficiente subcontratar o trabalho.

«A boa notícia é que está a criar oportunidades para programadores, freelancers e administradores de sistemas dispostos a gerir os servidores dos seus clientes de uma forma remota e rentável, e em maior escala», indica Fiorentino.

A opinião da BLS sobre a categoria: «Prevê-se que o emprego dos administradores de redes e sistemas informáticos cresça 6% entre 2016 e 2026, quase tão rápido como a média de todas as profissões.»

 

Consultores financeiros

As tarefas que antes eram executadas pelos consultores financeiros de nível mais baixo estão a ser subcontratadas rapidamente para o planeamento de software, aplicações, consultores robóticos e algoritmos de investimento, revela Pugliano.

A Investopedia explica desta forma: «Os consultores robóticos provavelmente também serão aproveitados por todas as empresas de uma forma ou de outra. Em 10 anos, talvez sejam capazes de seguir estratégias muito sofisticadas que empregam algum discernimento nas decisões de compra e venda.»

Pugliano vê uma oportunidade no futuro. Acrescenta que «permanece uma oportunidade para aqueles que conseguem implementar estratégias de timing de mercado, juntamente com protecção de activos e mitigação de riscos».

 

Florista

O número de floristas caiu 25,6% entre 2005 e 2015 e calcula-se que desça outros 16,6% entre 2015 e 2025. A culpa é da internet e do seu crescente negócio de entrega de flores, bem como do impulso dos supermercados para reforçar os seus departamentos florais e vender flores individuais directamente aos clientes.

As competências de design visual usadas pelos designers de flores, no entanto, são facilmente transferíveis para as profissões mais bem pagas de design de interiores e exibição de produtos, que estão em crescimento.

 

Colaboradores dos correios

A Agência de Estatísticas Laborais prevê que o número de funcionários dos correios, incluindo carteiros e empregados de balcão, cairá 28% até 2026. O pagamento de contas online e a possibilidade de manter contacto com os amigos nas redes sociais são os maiores culpados pelas perspectivas sombrias para os colaboradores dos correios norte-americanos. Os separadores de correio serão os mais atingidos, com uma queda de 50% nos empregos disponíveis, de acordo com a BLS.

É verdade que muitos retalhistas online usam o serviço postal para entregar encomendas, mas essa procura não compensa totalmente as outras áreas em declínio. De acordo com o Occupational Outlook Handbook, os «sistemas de separação automatizados, as caixas de correio aglomeradas e os orçamentos apertados afectarão adversamente o emprego».

No ano passado, o serviço postal entregou 149 mil milhões de correspondências, em comparação com os 212 mil milhões da década anterior. E se acreditam que a Amazon irá salvar o serviço postal dos EUA, pensem duas vezes. A empresa está a desenvolver agressivamente a sua própria rede de motoristas de entregas, num esforço para reduzir custos e aumentar a disponibilidade de entrega no mesmo dia de forma a competir melhor contra os retalhistas com lojas físicas.

 

Operadores de centrais telefónicas

Sim, ainda existem pessoas que trabalham como operadoras, mas os seus números diminuem há décadas e calcula-se que caia mais 33% nos próximos 10 anos. Até 2020, haverá apenas 109 300 pessoas a trabalhar como operadoras de centrais telefónicas.

Mais uma vez, a culpa é da tecnologia. Até ouvimos falar de um escritório que usa o Alexa da Amazon para direccionar chamadas telefónicas para o destinatário correcto. Mensagens de texto, correio de voz e outros sistemas avançados de IA podem tornar esse trabalho obsoleto ainda mais cedo do que o esperado.

 

Agricultores

O número de trabalhadores agrícolas deve diminuir 8% em relação aos níveis de 2010 em 2020, segundo a Agência de Estatísticas Laborais.

Não é porque as pessoas estão a comer menos, mas porque os agricultores estão a ficar mais eficientes, substituindo trabalhadores por máquinas e obtendo mais rendimentos a partir de parcelas menores.

Ainda assim, com a expectativa de que a população mundial cresça 2,3 mil milhões de pessoas até 2050, segundo as Nações Unidas, a agricultura continuará a ser uma profissão generalizada e necessária.

 

Cozinheiro de Fast Food

A tecnologia promete tornar obsoletos os empregos com baixos salários. E nada é mais simbólico da parte inferior da cadeia alimentar do emprego do que o cozinheiro de fast food, que é um dos poucos empregos na nossa lista que exige menos do que o 12º ano.

A BLS afirma que haverá cerca de 511 400 cozinheiros de fast food a trabalhar nos EUA em 2020, uma queda de 3,6% em relação a 2010.

O motivo? O fast food está a tornar-se cada vez mais uma indústria automatizada. As cadeias consideram mais barato preparar alimentos fora do local e simplesmente pedir que os funcionários os reaqueçam nas suas lojas.

Isto era impensável na maioria das empresas de fast food há uma década, mas a tecnologia de alimentos avançou de tal forma que a versão para microondas não deixa de ter o sabor da versão cozinhada no local.

 

Jornalista

Tendo em conta que a circulação está em queda há 17 anos seguidos e que a circulação de domingo dos jornais norte-americanos está nos seus níveis mais baixos desde 1945 - quando havia muito menos pessoas - e não é de admirar que as pessoas que enchem o jornal de notícias estejam a perder os seus empregos.

Espera-se que quase um em cada 10 jornalistas perca o emprego nos próximos 10 anos, de acordo com a BLS.

 

Joalheiro

Tendo em conta que cada vez mais jóias são produzidas no exterior, há cada vez menos joalheiros nos EUA. A BLS estima uma queda de 11% no número de joalheiros até 2024.

Um relatório de 2014 da McKinsey & Company fala sobre a indústria das jóias: «Estão em andamentos mudanças consequentes, tanto no comportamento do consumidor como no próprio sector. Os joalheiros não podem simplesmente fazer negócios como de costume e esperar ter sucesso; devem estar alertas e receptivos a tendências e desenvolvimentos importantes ou correm o risco de serem deixados para trás por concorrentes mais ágeis.»

 

Detective

As câmaras de vigilância, o spyware e os bancos de dados de ADN facilitam a resolução de crimes, por isso Pugliano, no seu livro sobre a era dos robôs, afirmou que vê o declínio do detective tradicional descrito há gerações em romances de mistério.

A BLS não prevê uma diminuição de detectives privados ou de investigadores nos próximos tempos - na verdade, calcula um aumento de 7% sobre o crescimento médio. A BLS também não prevê reduções para arquitectos ou médicos, que são as próximas duas profissões nesta lista. No entanto, os nossos especialistas prevêem que essas profissões terão de mudar drasticamente para permanecerem relevantes.

Pugliano calcula que o trabalho policial no futuro se concentrará mais na reabilitação criminal e na redução da reincidência, e menos na resolução de crimes.

 

Arquitecto

Jim Molinelli é um arquitecto licenciado que ensinou arquitectura na Universidade A&M, no Texas. Mas não vê um futuro brilhante para as pessoas que desejam entrar na área. Para se tornar um arquitecto licenciado, são necessários cinco ou seis anos de faculdade e outros três a cinco anos de estágios. «Tudo para ganhar muito menos do que o público supõe e fornecer um serviço que não é exclusivo ou procurado», afirma Molinelli.

Molinelli ressalva que muitos dos serviços que os arquitectos prestam podem ser prestados por pessoas que não possuem licenciatura.«No mundo empresarial, os engenheiros podem cumprir as mesmas tarefas, e numa aplicação residencial qualquer pessoa pode conceber planos para novas casas ou para autorizações de remodelação, desde que cumpram os códigos actuais», explicou. «Tendo a capacidade de fazer isso sozinho ou de contratar outras alternativas não licenciadas para o trabalho em habitação, o público quase nunca vê valor no dinheiro gasto na contratação de um arquitecto.»

A BLS prevê um aumento de 4% nos empregos para arquitectos, um ritmo de crescimento mais lento que o normal.

 

Talvez até médicos de clínica geral?

Como Pugliano explicou, o médico de clínica geral que procuramos para os exames físicos anuais ou quando nos sentimos mal pode estar a seguir o caminho dos médicos que fazem visitas ao domicílio. Os diagnósticos de rotina para problemas como infecções na garganta e ou dores nos ouvidos serão substituídos por testes domésticos baratos.

«A alternativa será os médicos gastarem menos tempo a diagnosticar doenças e mais tempo a abordar factores humanos que produzem melhores resultados de bem-estar: aconselhamento para obesidade e dependência, formação em desempenho ou abordagem a condições urgentes, como médicos de urgência ou socorristas", afirmou.

Não se preocupem, a inteligência artificial (IA) não está prestes a substituir os médicos em breve, mas pode mudar o mercado de trabalho e alterar o trabalho diário de muitos médicos.