o retrato do universo empresarial em 2019

Em 2019, nasceram quase 200 empresas por dia, um terço das quais em Lisboa, encerrarem menos negócios e as insolvências abrandaram a descida verificada em anos anteriores. Mas há mais.

 

Segundos dados compilados pela Informa D&B – entre 30 de Novembro de 2018 e 30 de Novembro de 2019, e contando os dias úteis – nasceram 49 395 empresas em Portugal, 196 por dia. Este registo representa um crescimento de 9,6% face aos 12 meses anteriores.

O sector que registou mais constituições de novas empresas foi o de Serviços empresariais, ou seja, todos os serviços de apoio às empresas, actividades de Recursos Humanos e Manutenção e Aluguer. As 7 710 novas empresas deste sector representam um crescimento de 6,2% face ao período homólogo.

O sector dos Transportes foi o que registou um maior crescimento em novas empresas. As 4257 novas entidades correspondem a um crescimento de 109,7%. O grande responsável por este crescimento é o subsetor do Transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros.

O sector das Actividades Imobiliárias foi o que registou a maior queda em novas empresas nos últimos 12 meses. Passou de 5354 para 5029 novas empresas, uma queda de 6,1%.

Lisboa, com 16 710, e Porto, com 9 018, são os distritos onde foram constituídas mais empresas nesses 12 meses. Entre os distritos mais representativos em número de empresas, Braga, Aveiro e Setúbal cresceram acima da média, reunindo no seu conjunto quase 10 mil novas empresas.

No período em referência, encerraram 16 792 empresas, o que representa uma descida de 10,7% face ao período anterior, altura em que encerraram 18 804 empresas.

O sector do Retalho, um dos sectores com maior número de empresas, foi o que registou maior número de empresas a encerrar, com 2809 casos. Ainda assim, este valor corresponde a uma diminuição de 10,8% nos encerramentos deste sector face aos 12 meses anteriores.

As indústrias registaram o maior recuo nos encerramentos, passando de 1942 para 1492 casos nos últimos 12 meses.

Os novos processos de insolvência desceram 6,6%, abrandando a descida verificada nos anos anteriores. Este abrandamento da descida das novas insolvências deve-se ao sector das Indústrias, que registou mais 19,3% de novas insolvências face aos 12 meses anteriores, sobretudo nas empresas têxteis e metalúrgicas.

De referir ainda que nasceram 2,9 novas empresas por cada uma que encerrou. Transportes, e Actividades imobiliárias são os sectores com um rácio nascimentos/encerramentos mais elevado. Entre os principais distritos em número de empresas, Lisboa, Porto e Setúbal registam um rácio acima da média.