<p><span>Análise de dados, análise de pessoas. É esta a relação número um e a mais simplista para explicar o que está a começar a acontecer em Portugal no sector dos recursos humanos. </span><span>A multinacional Randstad “está a apostar muito em duas grandes vertentes tecnológicas: ferramentas de assessment [avaliação] e validação de candidatos de modo a criar perfis cada vez mais ricos e completos”, indica o diretor de tecnologias de informação (TI), Gonçalo Vilhena.</span></p>
<p><span></span><span>As ferramentas assentam em gamification (jogos orientados para resolver problemas), automatização, desintermediação e diferentes tipos de testes. Por outro lado, soluções de inteligência artificial aliadas a instrumentos analíticos avançados, bem como o recurso à robótica, ajudam a “potenciar e aumentar as capacidades dos consultores de recrutamento”. </span></p>
<p><span>Nos Estados Unidos, startups tecnológicas têm conseguido disromper a maior velocidade o sector dos recursos humanos. A HireVue, por exemplo, já grava e analisa entrevistas de emprego, avaliando aspetos como expressões faciais e a escolha de palavras dos candidatos para tecer considerações sobre o nível de motivação ou empatia do profissional. A Koru, por sua vez, desenvolveu um software que perscruta noções como a curiosidade ou a delicadeza. </span></p>
<p><span>Em Portugal, vamos com mais calma, embora a Randstad (a única empresa, entre as que o </span><span>Expresso abordou, que está a atuar no terreno com este tipo de inovações) afirme que o país ocupa “um lugar de destaque” no processo de transformação digital, que começou há três anos nos 39 países em que multinacional atua. </span></p>
<p><span>No entanto, a mudança é lenta, tanto devido a questões jurídicas (como a proteção de dados) como porque a componente humana continua a ser muito valorizada neste mercado. </span></p>
<p><span></span><br><span>seleção menos tendenciosa </span></p>
<p><span>Estamos a desumanizar processos? A Randstad acredita que não. No que os robôs e algoritmos dão uma grande ajuda é sobretudo na análise de páginas e páginas de currículos e no cruzamento de dados. “Temos reduzido consideravelmente o tempo de execução de tarefas rotineiras e de menor valor acrescentado. Um bom exemplo é a automatização da verificação de referências”, ilustra Gonçalo Vilhena, dando o exemplo dos sistemas Checkster e Pymetrics (este último apresenta uma experiência interativa ao candidato ao mesmo tempo que é construído um perfil de competências para o consultor). </span></p>
<p><span>“Existem inúmeras iniciativas globalmente alavancadas pelo grupo e Portugal é pioneiro no desenvolvimento e implementação de algumas”, assegura. </span></p>
<p><span>São vários os estudos a nível internacional que apontam para a seguinte tendência: encontrar os melhores talentos dependerá cada vez mais da capacidade de o recrutador automatizar o seu fluxo de trabalho de forma inteligente. </span></p>
<p><span>Por outro lado, a automação vai permitir reduzir o grau de imparcialidade. “Os seres humanos são decisores tendenciosos. Um exemplo bem conhecido e preocupante disso é a tendência de os recrutadores contratarem candidatos que se pareçam com eles”, escreveu-se na revista “The Atlantic”. </span></p>
<p><span>O relatório de diversidade da Google de 2014, por exemplo, evidenciava que apenas 2% dos elementos da equipa eram negros e 3% de origem hispânica. </span><span>Ainda assim, as máquinas não vão substituir o homem na avaliação de profissionais, acredita a Randstad. Como afirma Gonçalo Vilhena, elas “são excelentes a executar tarefas repetitivas”, mas, “em recursos humanos, assim como noutros sectores, a relação será sempre de pessoas para pessoas, mesmo que intermediadas por muitas máquinas”. </span></p>
<p><span><em>in Expresso</em></span></p>