o futuro do mundo do trabalho: 8 tendências de transformação

O mundo do trabalho está em transformação e isso vai trazer consequências à estrutura empresarial, à forma de trabalhar e à forma como candidatos e colaboradores devem encarar o seu papel. No início de um novo ano, mostramos-lhe 8 tendências desta mudança:

1. Rápido desenvolvimento tecnológico: a procura de profissionais altamente qualificados e com skills digitais vai permitir um aumento da produtividade e uma transformação das relações laborais;

2. Globalização económica: a geografia deixou de ser uma limitação devido às alterações e desenvolvimentos recentes da logística internacional, à existência de empresas multinacionais e à globalização;

 3. Surgimento de novas categorias profissionais: se algumas profissões tendem a ser automatizadas e a desaparecer por dependerem menos do fator humano, a verdade é que outras surgirão nos próximos anos, fruto da evolução científica e tecnológica;

4. Maior competência laboral: o nível de profissionalização e a inexistência de barreiras temporais e espaciais fará com que as empresas tenham também mais facilidade em obter os recursos humanos especializados para as suas funções, podendo selecionar o profissional mais adequado sem dar tanta importância ao local onde vive;

 5. Fim do trabalho para a vida: os colaboradores vão ser cada vez mais internacionais e a proliferação do trabalho próprio e empreendedorismo fazem com que a mudança de emprego seja natural e existam cada vez menos empregos a longo prazo;

 6. Maior exigência na qualificação: as pessoas menos qualificadas tendem a ter mais dificuldade em ter um posto de trabalho fixo e bem remunerado;

7. Escritórios online: a tecnologia cloud e o desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação trazem uma nova realidade de trabalho. O trabalho a partir de qualquer lugar vai substituir os escritórios;

8. Flexibilidade de horários: a produtividade será tendencialmente mensurada por resultados apresentados e projetos concretizados e, por isso, o trabalho das 9h-18h vai deixar de ser uma realidade. O horário de trabalho deve cada vez mais ser gerido pelo colaborador.