a tecnologia ao serviço da gestão de carreira

Há cinco anos, a Randstad Professionals passou a integrar a área de Outplacement. A razão é simples: «Como global provider que somos, faz todo o sentido que esteja integrado na nossa oferta de serviços. Além disso, sentimos uma maior procura dos serviços de Outplacement, seja por parte de empresas já clientes noutras áreas, seja de clientes particulares, que muitas vezes são candidatos que passarão por processos promovidos pelas nossas equipas de recrutamento», faz notar Ana Viçoso Ferreira, senior consultant de Outplacement da Randstad Portugal. E ressalva: «Ainda que trabalhe em grande proximidade com a Professionals, a área de Outplacement é uma área independente. A principal vantagem desta proximidade são as sinergias que permite, quer ao nível dos inputs sobre as competências mais valorizadas pelos hiring managers, quer ao nível do treino de entrevistas de emprego que realizamos com os candidatos, em que envolvemos também os consultores das áreas de especialização da Professionals.»

A Randstad tem vindo a apostar nesta área, tendo há um ano anunciado a aquisição da RiseSmart, «empresa líder no mercado de transição de carreira e de serviços inovadores, com base tecnológica e sede na Califórnia», trazendo assim «maior solidez aos serviços prestados na área de Outplacement. Sendo a Randstad uma empresa tech and touch, foi para nós essencial colocar também a tecnologia ao serviço dos programas de gestão de carreira», partilha a responsável, sublinhando: «Obviamente que o papel do consultor não é substituído, mas o facto de podermos utilizar a tecnologia RiseSmart na identificação de oportunidades de emprego, perfeitamente enquadradas com os objectivos profissionais dos nossos candidatos, tem um forte impacto ao nível da nossa performance.» Paralelamente, foram contratados consultores com experiência em empresas multinacionais de Outplacement. Estas apostas resultaram num «balanço deste último ano de actividade bastante positivo, na medida em que aumentamos a nossa taxa de sucesso para 80% e conseguimos um tempo médio de recolocação de quatro meses», realça Ana Viçoso Ferreira, salientando ainda que, ao nível de posicionamento, dispõem de uma rede global que permite dar resposta a objectivos de colocação a nível internacional.

«Os candidatos que pretendem uma colocação internacional podem ser acompanhados por um consultor de carreira no país de destino, ou ter acesso a oportunidades de emprego através do programa "Cross Border Staffing", que permite identificar oportunidades a nível internacional, sendo os consultores de carreira da Randstad em Portugal os intermediários do processo de candidatura.» A senior consultant destaca que, «procurando acompanhar as tendências de mercado, as boas práticas da Randstad incidem em continuar a optimizar processos, recorrendo principalmente ao suporte digital. Não se sobrepondo ao factor humano, procuramos optimizar os processos e contribuir para uma melhoria significativa da experiência do candidato, OUTPLACEMEHT O que evitar A senior consultant de Outplacement da Randstad Portugal alerta que é preciso evitar tratar o Outplacement como um acessório ao pacote de indemnização. oferecido apenas quando há uma maior dificuldade na negociação de salda ou em contraposição com outro beneficio adicional «É necessário entender a essência deste tipo de serviços ao nível do impacto que provocam no colaborador, que recebe apoio emocional e é orientado profissionalmente de acordo com os seus objectivos pessoais e profissionais. Isso contribuirá para uma recolocação mais rápida e eficaz.» bem como a capacidade de resposta aos clientes.» Isto, aliado ao facto de ser «uma empresa líder no mercado de Recursos Humanos, que mensalmente tem cerca de 1500 clientes activos e uma média de 1700 processos de recrutamento em Portugal», é, para Ana Viçoso Ferreira, o que distingue a Randstad. «As 24 delegações em Portugal permitem-nos daruma resposta consistente, qualquer que seja a zona geográfica, quer a candidatos, quer a clientes. E no apoio aos programas de criação de negócio próprio desenvolvemos parcerias com incubadoradas e temos uma rede de advisors, ou seja, mentores empreendedores com track record, que podem partilhar experiências reais com os candidatos», especifica. 

Procurando acompanhar as tendências de mercado, as boas práticas da Randstad incidem em continuar a optimizar processos. Há cada vez mais empresas a valorizar os serviços de Outplacement, razão pela qual a Randstad tem sentido uni crescimento do número de clientes neste âmbito, desde o sector dos transportes à indústria farmacêutica, passando pelo retalho e pela banca, «sempre numa óptica de transversalidade de perfis funcionais». 

Ana Viçoso Ferreira esclarece que os clientes procuram um acompanhamento profissional na reintegração dos seus ex-colaboradores no mercado de trabalho e, cada vez mais, um acompanhamento personalizado. Reconhecendo que existe, na maior parte dos casos, uma conotação negativa associada aos processos de despedimento, a responsável faz notar que nem todos os processos de saída estão relacionados com situações de mau desempenho, mas antes com o redimensionamento da estrutura de recursos humanos, que faz parte da dinâmica das empresas, seja para aumentarem a sua competitividade, seja para se ajustarem às alterações de mercado.» E as empresas de Outplacement podem ajudar neste processo. 

A senior consultant dá conta que se começa por fazer «um levantamento do racional da decisão, definindo um plano de acompanhamento ao processo de saída, que poderá incluir também uma formação aos managers que irão comunicar a decisão aos colaboradores afectados. Em simultâneo - continua -, será feito um levantamento do perfil do ou dos colaboradores, para posterior elaboração de uma proposta técnico-comercial que, após aprovação, prevê uma reunião de apresentação de serviços com os colaboradores, para lhes facultar toda a informação necessária sobres os benefícios deste apoio. É o colaborador que decide a sua integração, ou não, no programa de Outplacement.». Cada colaborador é alocado a um consultor, que será sempre o mesmo ao longo de todo o programa, para potenciar uma relação de confiança entre ambos. 

Este pode ser um momento de avaliação ou reavaliacão de objectivos e deve ser sempre encarado como uma oportunidade, ainda que haja um certa tendéncia para emoções negativas, Considere esta fase com mais uma fase da sua carreira profissional e encare a mudança com naturalidade, mantendo uma atitude positiva face ao futuro. Os benefícios da inclusão de um programa de Outplacement no pacote indemnizatório, vai muito para além do apoio que é prestado ao colaborador na sua reintegração no mercado de trabalho: promove um impacto positivo no employer branding, ajuda a manter um clima organizacional positivo, aumentando a motivação dos colaboradores que permanecem na organização, e contribui para amenizar a relação empresa/colaborador. Cada colaborador insatisfeito com a empresa, irá influenciar pelo menos 25 pessoas da sua rede de contactos, e estas irão influenciar, em média, outras 25. 

«A empresa receberá periodicamente relatórios sobre o trabalho desenvolvido entre consultor e colaborador, respeitando, contudo, a vontade do colaborador ao nível da informação que é partilhada.» «Relativamente ao colaborador» concretiza a responsável -, «o acompanhamento que fazemos segue a premissa de que os seus objectivos profissionais serão atingidos. Cada colaborador é alocado a um consultor, que será sempre o mesmo ao longo de todo o programa, para potenciar uma relação de confiança entre ambos, e que assegurará a transmissão de toda a metodologia, numa base semanal. Paralelamente, poderão frequentar o Skills Lab., composto por workshops temáticos que ajudam a desenvolver competências comportamentais. A relação estabelecida com o colaborador vai muito para além do tempo de programa negociado com a empresa, na medida em que acabamos por estabelecer uma relação que permanece no tempo e para nós, consultores de carreira, é muito bom sentir que de uma forma ou de outra tivemos impacto na vida daquela pessoa», sublinha. 

Ana Viçoso Ferreira realça que o Outplacement cobre todas as áreas que envolvam uma mudança na carreira e que, «apesar de ser seguida uma metodologia específica, não há dois programas iguais, porque o foco é sempre o objectivo profissional de cada candidato. Para além dos programas referidos, temos também programas de career counseling para clientes particulares», conta. «São programas com uma duração mais curta, que acabaram por superar as nossas expectativas ao nível da procura que tivemos durante este ano. O feedback que obtivemos ao nível deste programa tem sido bastante positivo, pelo que será claramente uma aposta para o próximo ano também», revela.

 In HR Portugal, Novembro 2016